Aquela casa velha

– E lá vamos nós para uma viagem dominical! Eu disse. Uma frase que me trouxe um monte de lembranças.

Quando eu era criança, meu pai pegava eu e minha mãe e saíamos para uma “viagem dominical”. Nunca sabíamos onde íamos parar, mas de alguma forma sempre parecia familiar.

Eu e minha esposa saímos em nossa aventura logo depois do almoço. A princípio as estradas eram todas por demais familiares. Viajei por elas, a trabalho, centenas de vezes.
– Preciso de alguma aventura! Eu disse.
– Ali, tenho que descer aquela estrada! Gritei.
– Por quê? Minha esposa perguntou.
– Está chamando meu nome! Declarei.

E estava mesmo. Esta estrada. Este caminho para algum lugar… Parecia um mapa de minha vida. As bifurcações, as curvas e pontos sem saída se comparam aos 53 anos que eu gastei até aqui em busca de meu destino.

Então comecei a ver velhas casas abandonadas. Casas de fazenda e granjas abandonadas durante a depressão e que ainda pontilham a campina.
– Vamos parar! Eu disse.
– Onde? Ela perguntou.
– Preciso ir ver aquela belíssima casa!
– Aquela casa velha? Ela perguntou.
– Sim. Quero tocar as pessoas que viveram aí. Eu disse.

Outra volta à minha infância. Eu adorava encontrar velhas construções abandonadas e rebuscar o passado. Quando criança, me lembro de sentir algo, uma força poderosa, uma conexão imediata com o passado sempre que eu segurava algo velho em minhas mãos.

Tocar a madeira lascada e apodrecida num peitoril da janela enquanto olhava pelo vidro quebrado desta casa deu-me um sentido das pessoas que viveram ali.

No canto, uma cadeira quebrada. O papel de parede descascado despencando. O sol irradiava para baixo por entre buracos do teto e criava círculos de luz no chão expondo as pranchas nuas que formaram o lugar.

Como não havia nenhum trânsito na estrada, o vento podia ser ouvido passando apressado pelos restos do passado.

Foi quando caí em mim.

Este é o trajeto que fiz ao longo de minha vida, a estrada na qual eu viajei está forrada com coisas que tenho deixado para trás. Sonhos abandonados, planos realizados e sim, pessoas que eu conheci, tudo é um reflexo de quem eu sou hoje.

Pergunto-me agora se alguém parasse ao lado da minha estrada da vida, eles veriam os restos de um homem feliz? Contariam às pessoas que me conheceram e passariam a sensação de que eu fui justo, amável, bondoso, compassivo? Ou teriam muitos contos de fracasso, dores e decepção?

Ei, mas a estrada não segue adiante? Tendo viajado até aqui quer dizer que posso estar ainda no meio do caminho ou perto do fim. Talvez esta viagem dominical sirva para me despertar.
A estrada adiante está cheia de curvas. Eu não posso ver todos os cantos. Mas posso ver que o caminho está aqui sob os meus pés. E a partir daqui posso fazer a diferença. É agora que posso tocar a vida daqueles com quem encontro de tal forma que tenham palavras bondosas para falarem de mim.

Então, quando minha viagem terminar, ninguém olhará em minha vida e dirá, “Aquela casa velha?”

 

 

Sobre mensagemeduvale

Momento de Reflexão, de segunda à sexta às 8h15 da manhã. Todo dia, uma mensagem para você começar bem o seu dia! Eduvale Fm - 104,3 Mhz - www.eduvalefm.com.br
Esta entrada foi publicada em Sem categorias. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s